Chico Canta

a noite calada, quieta,
escuta o chico entoar
minha canção predileta.
calado, eu também.
aguardo sonado por ela,
que não vem.
há quase dez anos,
mesma rotina.
mesma menina.
tantas idas, tantas vindas
tantas mudanças.
tantos caminhos distintos.
mas a mesma certeza
e os mesmos
instintos.
a noite calada, quieta,
me abraça.
me acompanha.
e faz essa paixão parecer
menos estranha.
na foto,
revejo seu rosto.
imagino seu gosto.
alimento meu desejo,
com a saudade,
única coisa dela, que tenho à mão.
e já não dorme vazio, meu coração.
logo, mais um dia virá.

chico ainda canta. e me pergunta:
o que será que será?

silêncio

tua ameaça de ostracismo
revelou-se, pois, levada a cabo.
descabido fruto do cinismo
a condenar-me, fora eu diabo.

calo-me. alternativa ao pranto.
inútil é dar-me ao desespero
se, desesperado, me ataranto
com meu inócuo destempero.

corte profundo, lobotomia…
inércia. que me faz mais forte.
necessária pausa na agonia
que vez em quando brinda à minha morte.