Chico Canta

a noite calada, quieta,
escuta o chico entoar
minha canção predileta.
calado, eu também.
aguardo sonado por ela,
que não vem.
há quase dez anos,
mesma rotina.
mesma menina.
tantas idas, tantas vindas
tantas mudanças.
tantos caminhos distintos.
mas a mesma certeza
e os mesmos
instintos.
a noite calada, quieta,
me abraça.
me acompanha.
e faz essa paixão parecer
menos estranha.
na foto,
revejo seu rosto.
imagino seu gosto.
alimento meu desejo,
com a saudade,
única coisa dela, que tenho à mão.
e já não dorme vazio, meu coração.
logo, mais um dia virá.

chico ainda canta. e me pergunta:
o que será que será?

madrugada

toda madrugada guarda
suspiros e segredos
e aguarda a mãe dos medos,
a solidão.
toda madrugada é puta.
e pura.
deita-se, escuta,
e atura
lamentos e loucura
dos que sofrem de amor.
toda madrugada é dor.
é fria.
noite que quer ser dia,
irônica,
como uma filarmônica
de silêncios.
é um sorriso blasé.
toda madrugada
é, ainda assim, a estrada
que me leva até você.

23 de setembro

vinte e três de setembro
primavera, bem me lembro.
mais uma.
noite sem sono.
lua em seu trono,
céu lindo.
lendo teus escritos,
navegando entre saudade
e pensamentos bonitos.
coloridos,
guardados em muitos cantos
escondidos.
primavera. 
mais uma.
olho tuas fotos.
entre todas as flores
quero a de lótus.
certeza.
mas
teu silêncio
me agride.
e tua indiferença
é mais forte 
que minha crença.
tua frieza
me desespera.
tenta pintar de outono
a primavera.
mais uma.