Que Saudade Que Eu Sinto da Gente

Que saudade que eu sinto da gente…
Daquele tempo…
Quando tudo parecia ser perfeito,
Quando o mundo parecia ser do jeito
Que eu queria,
Quando todos esses relógios homicidas paravam
Pra eu ver
Que você sorria.
É, eu ainda tenho a coleção que fiz
Com todos os sorrisos que você me deu
Quando me olhava daquele jeito
Meigo, doce, franco,
Que é o seu.
Nem sei porque
Mas hoje deu uma vontade,
Uma vontade louca
De dizer
Que eu faço o meu melhor, o meu maior,
Pra ser sua amiga
Mas,olha, talvez, eu não consiga…
Porque o que eu trago aqui dentro
É diferente,
Tem a ver com essa saudade que eu sinto
Da gente…
Tem a ver com tudo o mais
Que eu nunca mais
Consegui sentir.
E faz tanto tempo…
Milhares de noites em que dormir
É marcar encontro com você…
E saber que é lá que vou escutar de novo
As coisas todas que você me disse
E eu amei que dissesse…
Aquelas coisas lindas, você sabe,
Que a gente não esquece…
É também no sonho que vou sentir seu toque,
Por mais que isso me agrida,
Atravesse a minha vida
E provoque,
Uma coisa esquisita,
Que apesar de bonita,
Eu jurei pra mim mesma, que não quero sentir.
Demorei pra perceber que eu não podia fugir
Porque não existe lugar pra eu ir
Que não sinta você
Porque quando escolhemos o Não,
Na pressa acabei esquecendo
De arrancar você do coração.
Nossa! Que saudade que eu sinto da gente!

Um Segredo

Você me deixa tão aflita
Que eu preciso ver se estou bonita
Pra falar ao telefone
Com você…
Minha voz fraqueja, a boca seca,
A mão sua.
A mão que é sua.
E eu fico nua,
Me entrego.
Não nego
Minha felicidade
Que não se recolhe,
Não se intimida,
Não escolhe
Momento pra fugir, exultante,
Do peito.
Peito que é seu.
Meu amor não morreu,
E isso é tudo.
Durante muito tempo ficou mudo,
Mas vive.
Cada dia mais maduro,
Cada hora mais seguro,
E ainda tão puro,
Como antigamente.
Quando tudo o que eu tinha
Era a promessa da gente…
Fui eu quem trouxe a serpente?
Fui eu que decidi sair
Do nosso paraíso?
Ou era só conto de fada
E o que era tudo, hoje é nada
Porque deu meia-noite?
Meu Deus! Você deve estar se perguntando
Da onde eu estou arrancando
Esse sentimento…
Mesmo sem teu consentimento
Eu o mantive guardado
No lugar em que ficou largado
Quando você
Preferiu não voltar.
Você, a essa altura,
Já pensa que é loucura
E, sim, eu sou louca
E só penso em sua boca
Sussurando ao meu ouvido
Ou – quem sabe? – o gemido
De prazer
Que está contido,
Está preso…
Isso te deixa indefeso?
Te assusta?
Não é preciso ter medo
Isso era só um segredo
Que eu resolvi te contar!