Moça do Bolo

Hoje o dia é da moça do bolo.
De chocolate, baunilha. Ou de rolo.
Moça bonita.
Um pouco zangada.
Um pouco afobada.
Às vezes, aflita.
Mas sempre infinita.
Sempre intensa.
Moça de bondade imensa.
Coração.
Emoção.
Um pouco de confusão.
E doses fartas de açucar.
É. Ela também é doce.
E age como se o mundo
Também fosse.
(Quem sabe, tá certa?)
A moça do bolo é esperta.
Amiga do Lacan
De mestre em cuca.
A mestre cuca.
E feliz.
Moça que fez bolo pra tevê.
E faz poesia com glacê.
Moça que espalha cores.
E desperta amores.
E vice-versa.
E versa o vice. Vascaína.
Coitada. Desde menina.
Ninguém é perfeito.
Seu sorriso é.
Hoje o dia é da moça do bolo.

Com carinho, para a minha amiga Carol Duarte.

Fernanda

Abusa,
A musa,
Da beleza.
Desfila sua realeza,
Deixando pra trás,
Com certeza,
Apaixonados olhares.
Apraz
A praia
Com o sorriso mais lindo já visto
E até mesmo o Cristo
Abre os braços pra ela.
Mas só o mar,
E quando sereno,
Abraça seu corpo moreno,
Pra inveja de quem passa.
Linda, tão linda.
Moça, do biquíni de pois,
Nem sabe o bem que me faz.
Nem sabe que incendeia,
Quando deita na areia,
Meu coração.

10 anos

E de repente, não mais que de repente
Aos vinte e três dias de novembro,
Como se fosse hoje, bem me lembro,
Veio ao mundo o meu melhor presente.

Nos meus braços, uma dádiva divina
Tão frágil, tão forte. Tão linda. Tão minha.
Eu era pai daquela menininha…
Apaixonado por Ana Carolina.

Muitos sonhos, desejos. Muitos planos,
Uma vida nova, uma estrada mais bonita,
Em cada abraço, alegria infinita,
Com a minha moça, hoje com dez anos.