A Dona do Nove

Lá vai ela, a dona do nove,
No seu belo existir
Que comove.
E provoca poesia.
Caminha, serena,
Deixando beijar-lhe, o sol,
Sua pele morena.
Estonteante,
Desperta o olhar disperso do passante
E deixa inquieta a praia.
E radiante.
Aquele Posto Nove, o velho e bom,
Da musa do Vinícius e do Tom,
Apaixonado, rende-se à sua beleza
E hoje aplaude, de pé,
Sua realeza.
E mesmo o azul senhor
De tantos mares e marés,
O portentoso Atlântico,
Em reverência,
Beija seus pés.

Sorriso Aberto

Pela janela eu acompanho aquela moça
Que espalha alegria quando passa
E passa dos limites quando espalha
As suas maravilhas pela praça.
É o preço que se paga por seguí-la
Manter-se o tempo inteiro apaixonado.
À espera de que venha, colorida,
Ou volte em seu vestido estampado.
Olhando os tantos olhos que a seguem,
A moça distribui fartos sorrisos.
Alguns que, de tão lindos, não se esquecem,
E outros que, divinos, são precisos.
Eu penso em poesias mas não verso,
Me calo, extasiado, na janela.
E a moça vai passando em seu destino.
A sina em que ela segue. De ser bela.

A boca vermelha.

A boca vermelha. Da atriz
Boca que todo homem,
Desde garoto,
Sempre quis.
Boca que, mesmo calada,
Muito diz.
Boca de muitos beijos,
Mas só um dono.
Boca de tirar o sono.
E a paz.
Boca que não se esquece
Jamais.
Rara.
Um poema.
Exuberante, na tela do cinema.
E tão bela.
A melhor personagem da novela…
Maravilhosa boca da atriz.
A boca vermelha. Da Chris.

Flor-da-Chris

Linda flor, a flor-da-Chris
Mais bela que a flor-de-lótus,
Muito mais que a flor-de-lis.

Não é flor de se por em vaso.
Não é flor de apenas um dono…
É flor pra deixar plantada,
Pra mostrar pra namorada
Em linda tarde de outono.
Pra dar em troca de beijo.
Dizem que a flor é encantada
E realiza o desejo
Que, quem a viu, sempre quis.

Mais bela que a flor-de-maio.
Linda flor, a flor-da-Chris.

tua vontade

se só eu, de nós, sinto saudade
que por maior que seja, ainda é vã;
se o que te guia é a vaidade,
(a que, eu já te disse, é a vilã!)
se o que te excita é a liberdade,
a despertar tua alma cortesã…
que seja feita, assim, tua vontade…
mas quando acordares só, pela manhã
perceberás que a vida, a de verdade,
nem sempre é uma foto no instagram.

Carnaval

O carnaval que eu gosto não está nas ruas,
Não está tampouco em coloridos foliões.
Não está nas moças esculpidas, seminuas
Nem nos desfiles que enfeitiçam multidões.

O carnaval que eu gosto é mais sereno,
Sem batucada, sem bloco. E sem escola.
Tem meu calado querer teu corpo moreno
Que, doce, evolui. Como samba de Cartola.

silêncio

tua ameaça de ostracismo
revelou-se, pois, levada a cabo.
descabido fruto do cinismo
a condenar-me, fora eu diabo.

calo-me. alternativa ao pranto.
inútil é dar-me ao desespero
se, desesperado, me ataranto
com meu inócuo destempero.

corte profundo, lobotomia…
inércia. que me faz mais forte.
necessária pausa na agonia
que vez em quando brinda à minha morte.

01/12/11

meu anjo, meu doce,
minha amiga,
parceira na labuta,
companheira de luta,
boa de briga.

sempre musa.

mudou a vista.
o que era praia,
virou Paulista.

mudou, bastante, a geografia.
mas não há de sumir,
nem morrer,
a poesia.

por que morreria?

são só os melhores desejos…
um bem querer sem fim,
um mundo perfeito,
que trago no peito,
dentro de mim.
e é ele que eu quero que aconteça
na tua cabeça,
no teu dia-a-dia.

uma vida de conquistas,
mas em harmonia.
e que cada passo teu,
junto ou não do meu,
encontre alegria.
que nunca mais haja dor,
só exista amor, amor e amor.
e que o carinho a te cercar seja tanto
que tenhas certeza que vem de Deus
esse acalanto.

que possas escolher,
que possas fazer,
ter
à disposição,
coisas que te preencham a alma,
a mente,
e o coração.

que viver feliz pra sempre seja o teu lema!
que se mantenha perene a sensação de paz.
e que teu único problema, teu mais terrível dilema,
seja escolher o sabor do teu häagen-dazs!

180 dias

difícil é resistir a te dar mais um poema,
fingir que a distância não é problema
e que não encontro saudade
em cada canto quieto dessa cidade.
difícil é cessar o verbo,
cassar o verso,
calar.
difícil é te amar.
mais ainda é parar,
é uma espécie de vício
que sempre volta ao início.

é uma espécie de hospício
de só um louco.
difícil é pouco.
é mais que isso,
é o inferno.
angustiante.
bem pior que o de Dante.

difícil é tirar você da cabeça,
por incrível que pareça,
depois de todos esses dias,
de todas as poesias
ainda há muito de você dentro de mim.

não era pra ser tão difícil assim.