Sempre

Quando a minha boca encontra a tua
E respiramos, nós, num só compasso.
Quando, inebriante, andas nua
Segura em dar-se, inteira, ao meu abraço.
Quando sorris, calada, do que sugiro
Ou gargalhas alto do meu ciúme.
Quando já não estás mas ainda respiro,
O ar presenteado com teu perfume.
Quando acordo do teu lado em nossa cama,
Eu sei que essa paixão é verdadeira.
E mais, eu sinto o mesmo que quem ama,
Define como amor pra vida inteira!

Deixe uma resposta