2006

Foi num dia de março.
Ainda verão, quase outono
Que acordei do meu sono,
Longo,
Profundo.
Como se depois de tanto tempo
Abrissem os meus olhos.
Me tirassem o capuz.
E diante de mim,
Tua beleza irradiante.
Tua luz.

Num piscar de olhos,
Os teus,
Despertei.
O nome do que senti,
Eu não sei.
Mas era bom.
E era forte.
Voltava eu, naquele instante,
Da morte.

Meu sangue, de novo, pulsava nas veias.
Tantas pessoas a nossa volta,
Todas alheias
Ao milagre divino,
À ressurreição.
Meu coração,
Outra vez vivo,
Quente.
E ao mesmo tempo,
Eu ali, dormente.
Atônito
Com a inimaginável
Experiência
De voltar a amar.
Ah! Moça linda,
Do sexto andar!
Quantas vezes fui te ver,
Sem nem ter o que falar…
Só pra sentir teu perfume.
E te escutar.

Naquele dia de março,
Meu amor, antes contido,
Ali, esparso.
No meio da sala,
Vertia.
Você falava,
Sorria.

Tuas palavras, me abraçavam,
E vinham aos meus ouvidos
Como poesia.

E minha interminável e solitária noite,
Virava dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s