teu abraço

não há jeito. não há distância.
não há o que se possa fazer
pra obrigar-me a esquecer
a fragrância,
o frescor suave
do teu abraço.

é a chave,
é o laço,
que envolve o presente
(mesmo se estás ausente)
com tantas memórias.

algumas derrotas.
muitas vitórias.

não existe fronteira
que afaste.
não existe besteira
que desgaste
o amor verdadeiro.

é amor genuíno.
no meu peito de homem,
um amor de menino.
suave,
ingênuo.
cristalino.

pra mudar o destino,
não existe receita
nem jogada perfeita.

só existe viver.

só existe sonhar.

e é isso que eu faço,
cada vez que te abraço,
e encurto a distância.

e respiro a fragrância
que alimenta,
que sustenta,
a minha alma.

Deixe uma resposta