Minha Paz

Numa tarde,
Em Ipanema,
Triste,
Andei.

No peito, um coração
Carregado de saudade e tristezas
Ritmava meus passos
Preguiçosos.
A cabeça atormentada, perdida,
Estranha a mim mesmo,
Era habitada por tribos de pensamentos
Que lutavam
Incessantemente
Entre si.

E eu andava.
Sem saber exatamente o que procurava…
Me percebi diante
Da N. Sra. da Paz
Sem ser capaz
De entrar.

Acelerei o passo, era preciso.
Paz, Paz, Paz… – pensei –
Senhor, me mostra onde encontro a minha…
Não foram necessários mais que dois minutos
Ou alguns passos.
Para aparecer diante de mim,
Ainda incrédulo,
Depois de tanto tempo,
Em lugar tão improvável,
Em uma hora verdadeiramente incomum,
Você.

Despenteada, linda.
A minha paz.

Deixe uma resposta