Coisinhas

Sabe aqueles dias
Em que a saudade aperta
E que a iminência da lágrima
É quase certa?
Nesses dias eu largo a dor
Em um qualquer banco de praça
Torno-me cúmplice do tempo
Que não passa
E acho engraçado
Como mesmo longe
Você continua
Do meu lado
Como são as coisas
(bonitas e tantas)
Que te trazem aqui
Um simples quindim,
Um teste de Q.I.
Ou Beatles
Na voz da Rita Lee.
Loucuras de Gaudí,
Couvert com Biskuí
Ou o miolo doce
Do abacaxi.
Filmes de Woody Allen,
Filmes com Al Pacino,
Água com gás,
Cappuccino,
Bolhas de Pro Secco,
Rolhas de vinho tinto.
Espreguiçadeira pra dormir,
Restaurante indiano
Pra fugir.
Avenida Niemeyer
Pra gritar.
Tangerina,
Neosaldina,
Sorrisos de neném,
Fricotes de menina,
E a Michelle Pfeiffer também…
Muitas coisas que me fazem lembrar
Aquilo que eu nem sonho esquecer
Caixa com laço,
Abraço de palhaço.
Bandaid
No calcanhar
Canções do Bono
Rir, até chorar,
Na hora do sono.
Tiramisu,
Ironia,
Fla x Flu
E poesia.
Muitas coisas que não me deixam esquecer
Aquilo que não canso de lembrar.
Menino Jesus
De Praga.
Gérberas,
Girassóis,
Ninja,
Gueixa,
Docinho,
De ameixa
Do Mundo Verde
E tudo verde
Água de coco,
Anjo da Guarda,
Piada da Arara,
Piada
Do macarrão,
Orangotango, Urso
E leão.
Muitas coisas que me fazem te querer,
Muitas coisas que me fazem te amar.
Gavetas arrumadas,
Roupas combinadas,
Iogurtes
Saladas
Idéias desenhadas
Lingerie
Como são as coisas
Que te trazem aqui!
Telepatia,
Jeep e pôr-do-sol,
Surpresa,
Bombom de cereja,
Canecas pra cerveja.
Provérbios,
Homem-aranha,
Casquinha de siri,
Tudo isso faz você estar aqui.
Kahlua
E a lua
Que é da cor da tua pele
E me lembra você nua.
E as estrelas
Milhares
Como fossem os inúmeros
Olhares
Que trocamos.
Sem palavras,
Com palavras
Que integram,
Que entregam
Os momentos,
Os tormentos,
Os diversos sentimentos
Que senti.
Tantas coisas,
Belas coisas
Que te trazem
Novamente
Aqui.
Sabe aqueles dias
Em que todas as pessoas
São estranhas?
Em que você perde o rumo
Perde o sumo
Perde a calma
Vende a alma?
Sabe aqueles dias em que
Você deseja morrer
Ou ser argentino
E não se emocionar
Com o violino
Que traz lembranças?
Nesses dias
Eu escrevo um poema
Que não quer acabar
Pra falar de um amor
Que não vai acabar.
Nunca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s