Vício

Quando julguei-me liberto
De toda a antiga agonia,
De todo o passado incerto,
Daquela vida sombria…

Quando pensei ser o fim
De tanta insônia e dor,
Que o sol nasceria pra mim,
Doando-me luz e calor,

Percebi-me na verdade
Preso em uma armadilha:
Não há mais felicidade
Sem teu cheiro de baunilha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s